Notícias

Segurança é fator crítico para Compliance da Informação! Fonte: IT Fórum 365, 28/10/2016

Em relação ao recurso informação para se estar em Compliance é fundamental a existência de um Processo Corporativo de Segurança da Informação. Mas como fazer?

Em tempos atuais de turbulências corporativas, a questão do Compliance (Conformidade com a legislação e comportamentos definidos) tem sido mais fortemente debatida. Em relação ao recurso informação para se estar em Compliance é fundamental a existência de um Processo Corporativo de Segurança da Informação. Compliance não acontece sem a segurança da informação! A segurança da informação é a base para um processo de Compliance Corporativo.

Mas, como desenvolver uma Gestão de Compliance da Informação? Descrevemos abaixo as etapas necessárias para que uma organização desenvolva e mantenha a sua informação ou a informação que está sob sua responsabilidade, de maneira adequada aos requisitos de conformidade exigidos.

1. Identifique seus direcionadores
Inicialmente para realizar uma Gestão de Compliance da Informação é necessário identificar quais são os direcionadores obrigatórios que a organização precisa seguir, precisa estar em conformidade, isto é, precisa estar Compliance.

Definimos como Direcionadores Obrigatórios:
- Legislação (nacional ou de outros países).
- Regulamentos específicos de um determinado segmento (exemplo das instituições financeiras).
- Exigências de mercado (pode ser uma certificação).
- Regras definidas pela própria organização, como Código de Conduta, Código de Ética, Código de Transparência da Informação.
- Algum elemento específico para a organização.

Exceto em relação à legislação e regulamentos setoriais onde todas as organizações são obrigadas a cumprir, os demais direcionadores vão depender do que a organização deseja. Sendo assim, está em conformidade pode ser diferente para organizações diferentes. O exemplo mais simples é o Código de Conduta. Apesar de todas as organizações possuírem um belo e exemplar texto, o que vale na prática é a prática do Código de Conduta.

2. Identifique quais são os controles exigidos pelos direcionadores
Cada direcionador define uma série de controles que devem ser desenvolvidos, implementados e mantidos (sustentados) ao longo do tempo pela organização. Algumas definições são amplas e bem conceituais, dando margem a várias interpretações para a sua implementação. Outras definições, por sua vez, são bastantes específicas e de fácil verificação o seu funcionamento.

Para os controles mais conceituais, explicite o que significa seguir estes controles. É necessário que toda a organização e principalmente o seu Corpo Diretivo entenda e esteja ciente das consequências do atendimento a estes controles.

3. Defina uma Arquitetura de Segurança da Informação
Para a existência de um Processo Corporativo de Segurança da Informação é necessário um passo anterior: a definição de qual arquitetura iremos seguir. Existem diversas arquiteturas e cada uma com suas características. Pessoalmente entendo que a arquitetura definida pela Norma NBR ISO/IEC 27002 é um padrão aceito internacionalmente e de fácil entendimento. Além de já ser uma norma ABNT e de fácil acesso para todas as organizações. Mas, a sua organização pode ser obrigada a seguir alguma outra, como por exemplo o NIST do governo norte americano. O importante é que fique explícito para todos qual a arquitetura qua a organização segue.

4. Avalie a Arquitetura de Segurança e os Controles dos Direcionadores.
Tomando por base o conjunto de controles (amplos ou específicos) definidos nos direcionadores obrigatórios, verifique se a Arquitetura de Segurança da Informação adotada, atende ou possibilita atender estes controles. Como dissemos anteriormente, talvez a arquitetura não defina especificamente o controle necessário, mas se esta arquitetura contempla o assunto do controle, podemos assumir que esta arquitetura é adequada.

Nesta etapa, caso a arquitetura adotada considere os controles exigidos pelos direcionadores corporativos, podemos afirmar que a Gestão de Compliance da Informação poderá acontecer de maneira adequada seguindo esta arquitetura.

5. Avalie a efetividade do funcionamento dos controles da Arquitetura de Segurança
Esta é a etapa da verdade! Avalie a maturidade do atendimento dos controles. É neste ponto que concretamente saberemos se a organização está adequadamente em conformidade com os direcionadores. Podemos afirmar que nesta etapa a Gestão de Compliance da Informação acontece. Ou não.

Uma sugestão: se você vai realizar a primeira avaliação, considere inicialmente os macrocontroles. Outra opção para organizações muito grandes é considerar um determinado escopo. Temos que ter o cuidado com o tamanho do projeto de avaliação de maturidade dos controles.

6. Divulgue o Nível de Compliance e planeje as ações de melhoria
O nível atual de Compliance da Informação da organização deve ser divulgado internamente com o Corpo Diretivo. Porém, não se encerra com esta atividade. É necessário, considerando o não atendimento dos controles de Compliance de Informação, a elaboração de um planejamento de ações para que a organização atinja o seu patamar adequado de Compliance da Informação.

7. Estamos falando de Gestão de Compliance
Muitas vezes o Compliance é tomado como um fato. É necessário encarar uma Gestão de Compliance, e no nosso caso, uma Gestão de Compliance da Informação. Sendo assim é necessário a realização das etapas anteriores em um ciclo de gestão, em um ciclo de melhoria (tipo PDCA).

A colaboração da Segurança da Informação com o Compliance da Informação se encaixam como peças de um quebra cabeça cujo objetivo é o atendimento dos objetivos corporativos. O mais importante é as peças se encaixarem e que o conjunto seja terminado.

Normalmente se destaca o Compliance pelo seu valor legal, mas, Compliance é mais do que legislação é atendimento ao que a organização quer considerar como direcionador.

E Segurança da Informação é mais do que Compliance. Sendo assim, a junção de Segurança da Informação e Compliance protegem a informação e permitem a sustentabilidade da organização.

Outras notícias